Você já se perguntou: por que o Japão, um país tão pequeno, se tornou o 3° mais rico do mundo? E sem rodeios digo: graças um sistema industrial criado por uma fábrica de veículos.

Entenda o que é Toyotismo para descobrir como isso foi possível!

Quando a gente fala de Japão as primeiras palavras que vem a nossa mente são terremotos, vulcões, tsunamis, por isso mesmo o país se tornou o líder na prevenção de desastres naturais.

As condições geográficas do país também serviram de incentivo para o surgimento do modelo Toyota, além das transformações históricas relacionadas ao término da Segunda Guerra Mundial.

O que quer dizer Toyotismo?

O modelo Toyotista é um sistema de organização voltado para a produção de mercadorias baseado no princípio da acumulação de capital de forma flexível, evitando principalmente os desperdícios ao longo do processo.

O que significa sistema de produção flexível?

O Toyotismo introduziu mudanças inovadoras (e arrojadas para a época), permitindo um modo de produção flexível que se resume em produzir o necessário à demanda, reduzir estoques, diversificar produtos, automatizar a produção e ter equipes multifuncionais.

Ao invés da máxima acumulação dos estoques, premissa do Fordismo, o modelo Toyotista preconiza a adequação da estocagem dos produtos conforme a demanda. A produção aumenta quando a procura por determinada mercadoria é grande e é reduzida quando essa procura diminui.

Be-a-bá: como funciona o Toyotismo?

  • Contratar mão de obra multifuncional e bem qualificada
  • Ter trabalhadores que conhecem todos os processos de produção
  • Desenvolver um sistema flexível de mecanização,
  • Produzir somente o necessário
  • Utilizar controle visual em todas as etapas de produção
  • Acompanhar e controlar minuciosamente o processo produtivo
  • Implantar o sistema de qualidade total em todas as etapas de produção
  • Manter a alta qualidade dos produtos
  • Realizar constantemente pesquisas de mercado

Por que o Toyotismo surgiu no Japão?

Além dos recursos financeiros nos Estados Unidos, que ajudaram na reconstrução do país, os japoneses desenvolveram novas formas de produção industrial, exatamente para lidar com a falta de recursos naturais em um espaço pequeno.

Nesse contexto de reconstrução do Japão, pós-segunda Guerra Mundial, o empresário japonês Eiji Toyoda, dono da fábrica que leva seu sobrenome, viajou até os Estados Unidos para conhecer a fábrica da Ford em Detroit.

Quando chegou lá ele não acreditou no que viu. Fábricas gigantescas com uma quantidade enorme de funcionários e um estoque monstruoso. Tudo aquilo que ele não conseguiria fazer no Japão.

Eiji tinha um braço direito, Taiichi Ohno, especialista no desenvolvimento de novas tecnologias, para quem Toyoda escreveu uma carta relatando os detalhes da visita a Detroit.

Foi dessa forma que os dois desenvolveram o Toyotismo, um novo modelo de negócio e produção que se inspirou no Fordismo, mas adaptou ao contexto japonês.

Quando surgiu o Sistema Toyota de Produção?

Não confunda: Fordismo e Toyotismo são coisas bem distintas!

O Fordismo é lá do início do século 20 e o Toyotismo surgiu na década de 50, após a Segunda Guerra Mundial.

O Toyotismo foi idealizado pelos engenheiros Taiichi Ohno (1912-1990), Eiji Toyoda (1913-2013), com apoio de Shingeo Shingo (1909-1990).

Este modelo produtivo foi desenvolvido entre 1948 e 1975 nas fábricas da montadora japonesa de automóveis.

A partir da década de 1970, quando as crises do petróleo abalaram o capitalismo, o modelo Toyotista se difundiu em todo o mundo, tornando-se um dos marcos da Terceira Revolução Industrial.

O precursor do Toyotismo, Eiji Toyoda.

O precursor do Toyotismo, Eiji Toyoda. (Créditos: New York Times)

O que caracteriza o Toyotismo?

Automação industrial

Ou seja, máquinas sofisticadas na produção exatamente porque elas conseguem parar sozinhas em caso de algum problema. Assim apenas um trabalhador consegue operar várias máquinas simultaneamente, o que reduz a quantidade de trabalhadores na fábrica.

Produção sob encomenda

Basicamente significa produzir de acordo com a demanda. O que diminui o desperdício de matérias-primas, de tempo, mantendo os estoques pequenos.

Divisão do trabalho em equipe ou células

A ideia que é bem simples: as equipes são divididas, agrupadas e comandadas por um líder que coordena e dita o ritmo de trabalho. Dessa maneira as equipes competem entre si, tornando a fábrica mais eficiente, aumentando a rapidez e o volume de produção.

Just in Time (JIT)

Na tradução literal significa “na hora certa” ou “no tempo certo”. Com pouco espaço para armazenar matérias-primas, peças e até mesmo mercadorias acabadas, as fábricas japonesas passaram a terceirizar sua produção.

Esse modo de produzir é chamado de Just In Time porque as peças produzidas por outras empresas chegam até as fábricas no momento certo de serem colocados na produção. Na prática é delegar parte da produção a outras empresas.

Como funciona o sistema Just in Time?

Sistema de administração da produção que determina que tudo deve ser produzido, transportado ou comprado na hora exata. Os engenheiros da Toyota criaram esse sistema de cronometragem que ficou conhecido mundialmente.

O Sistema de Produção Toyota é admirado e implantado em grandes indústrias brasileiras há mais de uma década. Os cases de sucesso são incontestáveis.

Como o Toyotismo pode se adaptar a sua empresa?

É fácil ficar impressionado com os resultados de empresas como a Volkswagen com a implantação do Toyotismo, porém impressionante também é a disponibilidade de recursos de uma empresa gigante do setor de autopeças.

O que não é amplamente divulgado são os principais conceitos da teoria que podem ser utilizados por qualquer empresa, independente do tamanho.

Essa é a maior vantagem do Toyotismo. Além de poder ser utilizado por empresas de qualquer tamanho, também pode ser implementado por qualquer tipo ou ramo de empresa.

Sim, estou falando de um hospital psiquiátrico, uma barraquinha de tapioca ou uma loja de materiais de construção.

Se as principais diretrizes do Sistema Toyota de Produção forem seguidas por todos os colaboradores, trazem resultados surpreendentes!

Explore as 4 diretrizes do modelo Toyotista

1 – Qualidade total

O programa de Qualidade Total que o Toyotismo defende é o da implantação do sistema de qualidade total em todas as etapas de produção ou no fluxo de processos de um negócio.

O centro da estratégia consiste em procurar fazer todas estas etapas de produção ou de processos com exímia qualidade. Desde a troca de informações até a qualidade da matéria-prima.

O resultado é a redução do retrabalho e de desperdícios, tanto de material quanto de tempo.

2 – Controle visual

Todos os processos da empresa devem estar visualmente identificados. Vamos imaginar esse controle visual em um comércio varejista, por exemplo:

Em frente ao terminal de vendas existe uma imagem de como o processo de vendas deve ser realizado.

No caixa consta um informativo sobre o que falar para o cliente, como receber, como dar o troco, como lançar esse recebimento.

Na expedição uma explicação de todo o processo de recebimento, separação, conferência e entrega.

Tudo escrito, acompanhado de imagens e afixado em lugar visível para os colaboradores.

3 – Pesquisas de mercado

O público e a concorrência fazem com que o nível de exigência e as necessidades sejam alterados constantemente. Por isso as pesquisas de mercado devem ser feitas constantemente.

Como hoje existem mecanismos gratuitos na internet para pesquisa de mercado, como o Google Trends, independente do investimento que uma empresa tenha disponível, realizar pesquisas de mercado é possível para todas.

É preciso garantir que aquilo que sua empresa está entregando ainda é aquilo que o cliente quer receber.

4 – Mão de obra flexível

Dentro da empresa é necessário que os colaboradores sejam treinados para realizar multitarefas. Esses “coringas” podem ser realocados dentro de uma organização conforme a demanda específica de cada tarefa.

Desta forma, dificilmente um setor só será sobrecarregado ou existirá desperdício de tempo com colaboradores ociosos.

O que é Toyotismo?

Consequências e curiosidades do Toyotismo

O trabalho excessivo e o enxugamento da mão de obra nas fábricas, com o tempo, se revelou extremamente cansativo e exploratório.

Outro ponto negativo é que os trabalhadores passaram boa parte do tempo que tinham para lazer descansando para conseguir se recuperar e voltar à linha de montagem.

Com isso, a quantidade acidentes de trabalho na fábrica aumentou substancialmente, como também o índice de suicídio entre trabalhadores.

Por outro lado, devido à lógica de controle permanente de qualidade do Toyotismo, surgiram os certificados de qualidade ISO, respeitados em todo o mundo até hoje.

O sistema também originou termos corporativos utilizados por empresas nos dias atuais:

  • Kaizen: no contexto empresarial consiste em aprimorar as operações de negócios de forma ininterrupta, permitindo baixar custos e melhorar a produtividade. O sistema 5s’s funciona como base nesse conceito.
  • Genchi Genbutsu (Vá e veja): trata-se da análise das fontes dos processos produtivos e dos problemas de produção, com decisões de negócios baseadas em informação fidedigna obtidas apenas no “chão da fábrica”.
  • Kanban: hoje em dia o é normalmente usado em conjunto com o Scrum, ambas metodologias usadas no desenvolvimento ágil de software. A empresa japonesa de automóveis foi a responsável pela introdução desse método que indica de forma bastante visual, através de post-its (e outros), processos e fluxos de produção, principalmente na fabricação em série.

A Toyota também investiu muito as pesquisas de mercado para adequar sua linha de produção às exigências dos clientes e isso garantiu produtos de qualidade inquestionável, consolidando a marca como a maior montadora de veículos do mundo.

Os japoneses não conseguiram se tornar a terceira economia do mundo apenas em virtude do Toyotismo, mas o sistema impulsionou grandes investimentos em educação. O país compreendeu que somente através da educação é possível qualificar mão de obra de maneira contínua e desenvolver tecnologias cada vez mais avançadas.

Todo mundo sabe que mercadorias com alto teor de tecnologia também têm alto valor agregado e, portanto, são vendidas com valor muito mais alto para o mercado mundial.

E então, depois de tudo o que compartilhei o que é Toyotismo talvez não seja agora sua maior dúvida, concorda?!

Na verdade o grande desafio é extrair todo potencial desse sistema e adaptar para a realidade da sua empresa. E esse é o meu negócio!

Se você se interessou e quer saber como posso te ajudar, vamos continuar essa conversa no Whatsapp!