A sinergia de uma soma de ações e interações entre pessoas, processos e informações, favorece a sustentabilidade de qualquer área de uma empresa, mas o cuidado deve ser redobrado, no que refere ao contexto das finanças, pois qualquer análise equivocada, pode provocar um efeito em cadeia desestabilizando outros setores.

E muitos empreendedores, não se cercam de profissionais ou recursos para incorporar as melhores práticas de gerenciamento e planejamento de custo.

Então diante de limitações, o que pode ser feito?

Recomendamos primariamente a aquisição de um software de gestão online, temos opções com mensalidades bem em conta,  isto trará clareza e organização dos dados, é claro, na impossibilidade de adquiri-lo, o Excel surge como uma alternativa, débitos e créditos devem ser detalhadamente discriminados, para fundamentação de análises precisas.

Não confie apenas no extrato bancário ou na intuição, isso ocasiona sérios danos ao negócio.

E sabemos que num momento de aperto, a tentação em retirar fundos do caixa da empresa é grande, pode até parecer um ato pontual, mas muitas vezes se torna um hábito constante altamente prejudicial. Então se limite a uma quantia “x” por mês de pro labore, a fim de não comprometer investimentos em consequência de gastos pessoais. É indispensável a separação das contas, entre física e jurídica, pro bem do seu bolso e da empresa também.

E um negócio inspira sonhos, porém corremos o risco de nos distanciar exageradamente da realidade, é importante saber até que ponto nossas incertezas são sustentáveis, observar o futuro sem bases do presente, dão margem a decisões precipitadas e irresponsáveis, nisto temos o risco de nos endividarmos ou comprometermos a demandas que não conseguiremos entregar, portanto não abdique da prudência, ela será o fator ponderador das mais diversas escolhas.

E ainda que nossa carga tributária seja exorbitante e totalmente desproporcional aos benefícios recebidos, essas obrigações são inadiáveis, mas existem circunstâncias que favorecem e motivam um maior engajamento fiscal, o próprio fato de não ser alvo de multas e sanções, ou possibilidade de concorrer a licitações, por exemplo.

Torna-se válido o acompanhamento de um contador, para busca de um melhor enquadramento tributário, isso pode minimizar consideravelmente os custos. E atualmente contamos com a MEI´s, ou seja, aquele que está trabalhando por conta própria, pode também optar por se tornar um microempreendedor individual (MEI) ao qual alude o artigo 966 do Código Civil. É então a pessoa que se legaliza como microempresário. Esse profissional poderá faturar a quantia máxima de R$ 60.000,00 por ano e não pode ser sócio ou titular de outra empresa.

Obtém assim o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ). Os microempreendedores individuais podem abrir conta bancária, pedir empréstimos e também emitir notas fiscais. A principal vantagem, no entanto, é a cobertura pela Previdência Social, que permite o acesso a benefícios como salário-maternidade, auxílio-doença e aposentadoria.

E é possível também gerar impacto social com as finanças e bom planejamento, existem leis de incentivo baseiam-se no mecanismo de renúncia fiscal, onde o Estado delega competência para que organizações da sociedade civil empreendam ações de acordo com as políticas culturais vigentes. A sociedade pode participar escolhendo onde investir parte do imposto gerado.

As empresas e pessoas físicas podem destinar parte do seu imposto para projetos culturais à sua escolha, ao invés de recolhê-la aos cofres públicos.

O principal mecanismo de dedução fiscal foi estabelecido pela lei 9.249/95 que concede às pessoas jurídicas, que declaram pelo lucro real, a possibilidade de destinar recursos, através de doações limitadas a 2% do lucro operacional de forma dedutível da base de cálculo, para as entidades civis sem fins lucrativos que possuem o certificado de Utilidade Pública Federal.

Por fim, como vemos, uma bom planejamento financeiro afeta não só o crescimento da empresa, como os colaboradores e comunidade em geral – então que os números não sejam lidados com displicência ou por uma perspectiva errônea, mas com maturidade que um grande negócio merece.