A maioria das empresas está doente. Não literalmente ou imediatamente, mas cronicamente. É nesse universo que age a Terapia Organizacional.

Quando as pessoas sofrem algum problema de origem psicológica, podem procurar um terapeuta para obter apoio e tratamento. 

Para muitos, esse é um passo difícil, mas depois de reconhecerem a natureza debilitante de sua condição, a terapia se torna uma alternativa bem-vinda.

No entanto, nas empresas, nossas fraquezas individuais e coletivas geralmente são varridas para baixo do grosso tapete corporativo.

Nós conspiramos em negação enquanto o estresse corporativo continua afetando resultados, sem ser reconhecido ou sequer discutido. E, assim seguimos, tropeçando, meio cegos e abaixo do ideal.

Nestes tempos hipercompetitivos, qualquer fraqueza corporativa limita o crescimento. 

No passado, a concorrência estava em produtos.

Agora chega ao estilo e cultura de gerenciamento.

Qualquer mal estar em áreas como liderança ou tomada de decisão contribui diretamente para lucros limitados e insatisfação da diretoria.

Uma solução para isso é a abordagem proporcionada pela Terapia Organizacional (Teor), que auxilia na descoberta dos gatilhos do estresse corporativo e no caminho da recuperação. 

De certa forma e em alguns lugares, isso já está acontecendo. 

Por meio da Teor, gerentes estão sendo informados sobre as fraquezas privadas e obtendo suporte para atuar de maneira mais eficaz. 

Qualquer suporte é um primeiro passo útil para empresas, mas para resultados efetivos e em longo prazo se faz necessária uma abordagem mais profunda e coerente. 

A terapia corporativa, seja qual for o nome, ainda está em sua infância, mas tem o potencial de ser a disciplina de negócios mais poderosa ainda.

Existem coisas que não são tão visíveis, se reconhecem os efeitos, mas não se identificam as causas. Ao encontrar as causas mais consistentes é possível gerenciar e incorporar, se for o caso, na cultura da empresa. É o que chamo de ajustamento consciente da cultura organizacional.

Amilton Almeida

Onde surgiu a Terapia Organizacional?

A Terapia Organizacional nasceu na Volkswagen do Brasil em 1980, a partir da atuação de Maria Vilma Chiorlin, na área de Recursos Humanos.

Os colaboradores participavam de encontros que tinham uma sequência de exercícios corporais, dinâmicas de grupo, compromisso e encerramento.

Ao fim do processo, oito níveis hierárquicos e 900 pessoas participaram, dando origem a  essa metodologia de ação com enfoque na Psicoterapia Corporal e integrando visões da Psicologia do Ocidente e do Oriente.

Há mais de 30 anos essa metodologia vem sendo aplicada com resultados muito positivos em grupos, organizações nacionais e multinacionais e indivíduos, influenciando os processos de transformação e sendo reconhecida como um método moderno e eficiente.

Transcender é essencial para travar essa amizade comigo próprio. Saber integrar a minha sombra com a minha luz para poder minimizar os sofrimentos do corpo e da alma e ir ao encontro da paz. Saber reconhecer que para além da coletânea de personagens defensores da minha sobrevivência, há algo muito maior e poderoso na essência luminosa do meu Ser. E à medida que posso acolher e integrar os meus opostos – luz e sombra – possibilito e preparo o caminho para o grande salto evolutivo da minha jornada existencial.

Maria Vilma Chiorlin

Conceito e aplicações da Terapia Organizacional

A Terapia Organizacional é uma abordagem teórico-vivencial que possibilita a integração das diversas dimensões humanas: espiritual, mental, física, emocional e social.

Por isso tem por orientação bases morfogenéticas, holográficas, sistêmicas, ecológicas e holísticas, sociais e espirituais.

A Teor é baseada em várias linhas psicológicas, entre elas: 

Psicodrama

Linha psicoterapêutica baseada no teatro, sociologia e psicologia.

Bioenergética

Estudos de estrutura de caráter, liberação de cristalizações musculares e energéticas adquiridas em fases diversas da vida.

Biossíntese

Visão abrangente do desenvolvimento humano que considera o desenvolvimento emocional desde a fase intrauterina.

Biossistêmica

Foco sistêmico da relação do corpo, pensamentos e relações.

Entre outras, como:

  • Constelações Organizacionais
  • Física Moderna e Neurociência
  • Psicologia Budista
  • Yoga Tibetana e Indiana
  • Biodança
  • Meditação
  • Músicas e Rituais

É uma metodologia versátil, flexível, dinâmica, situacional e abrangente que pode ser aplicada em organizações, grupos e indivíduos, como grupos independentes, escolas, famílias e empresas em diferentes níveis hierárquicos (do topo à base hierárquica).

Pode ser aplicada em dinâmicas, coaching individual e coletivo para desenvolvimento de um processo terapêutico em problemas relacionais e facilitar a solução de problemas técnicos.

A Teor permite autoconhecimento e desenvolvimento, transformações, superação de conflitos, entre outros benefícios observados.

Saiba mais sobre o Programa 10S para melhorar o ambiente de trabalho

Que sinais indicam que uma empresa precisa de Terapia Organizacional?

Em linhas gerais, cada empresa tem a sua forma de atuação, seus percalços em detrimento das particularidades do negócio e afins, funcionários, impostos, insumos, clientes, demandas, entre outros. 

Tudo isso torna a empresa única em sua existência. 

Portanto, a Teor (Terapia Organizacional) identifica não conformidades organizacionais que impactam no resultado financeiro, geralmente o primeiro visto pelas organizações.

Todavia para chegar ao resultado satisfatório, ou mais satisfatório, a empresa passa por forças invisíveis, energias que estão presentes na organização, importantes para produtividade e não interessantes quando causam desperdícios de várias ordens.

Quando se fala em desperdícios, esses são quantitativos com particularidades intangíveis e considero três principais:

1. Grupamentos sociais disfuncionais 

A disfuncionalidade causa desgastes que vão culminar em baixa produtividade. 

Desde problemas de comunicação, que parecem simples, mas todavia são complexos por abranger disparidades diversas, como idade, gênero, posição social, interesses, conflitos, emoções, sentimentos e exigências.

Esta situação de caráter social, ou seja, envolvem pessoas) é impactante na organização e a Teor pode ajudar muito.

2. Baixa produtividade

A produtividade em si, geralmente quantificada em reais (R$), é altamente impactada pela existência de coisas e ações desnecessárias no ambiente organizacional.

Como por exemplo, empregando também a metodologia Lean Manufacturing, as movimentações de pessoas (que não deveriam ser excessivas), tempos de espera (demasiado) por tudo e erros (sucessivos) em processos que causam retrabalho.

3. Excesso de estoque

Não diretamente, mas de forma indireta, observo que os excessos de estoque nas empresas suga muito a energia financeira.

Mais comum em empresas de médio e grande porte, mas muitas pequenas passam por esta situação, que pode ser equilibrada com ajuda da Terapia Organizacional.

Como funciona a Terapia Organizacional em empresas?

Através da Teor, reúno técnicas da Psicologia Organizacional, de relacionamento humano, das formas de agir e interagir com as metodologias de produtividades e suas interfaces para melhorar os ambientes de trabalho e potencializar a produtividade em si. 

A metodologia da Pericciar adequou-se ao observar que ferramentas da área de Exatas são reais, feitas para fechar os resultados e para produção fria, e a área da Psicologia, em especial através da Análise Transacional, veio para lubrificar o sistema das Exatas.

Funcionar é uma coisa, funcionar bem é outra muito melhor. 

Neste ínterim, a premissa é ajustar a produtividade com a solução de conflitos.  

A Terapia Organizacional auxilia a melhorar a produtividade em si e auxiliar as pessoas que operam as empresas, para que, associados e saudáveis, garantam uma produtividade condizente, estruturada, saudável e alvissareira.  

Quer saber mais sobre a consultoria de Teor da Pericciar? 

O atendimento funciona com base em três frentes e componentes:

  1. Encontros sucessivos com o tempo mínimo de duas horas.
  2. Pessoas ou grupos pontuais para reuniões e orientações para o melhor resultado.
  3. Diagnósticos e feedbacks interativos para melhor reflexão.

Já a Andragogia como metodologia de trabalho é oportunizada com palestras e workshops em empresas, sob demanda.

A Terapia Organizacional pode transformar o clima, o ritmo e os resultados da sua empresa.

Qualquer ação é um primeiro passo útil para empresas, mas para resultados efetivos e em longo prazo se faz necessária uma abordagem mais profunda e coerente. 

Conte comigo para liderar essa transformação com você e seu time por meio da Terapia Organizacional.